Como o uso excessivo de telas pode afetar o desenvolvimento do seu filho

  • BRASIL -
  • 26/06/2023
  • 11867 Visualizações
img

Com as crianças cada vez mais conectadas a mídias sociais e expostas desde cedo a computadores, celulares e tablets, especialistas já demonstram preocupação com as consequências do uso exacerbado de dispositivos digitais, principalmente na primeira infância.


“Essa realidade expõe as crianças a uma série de problemas de desenvolvimento cognitivo e emocional”, afirma Filipe Colombini, psicólogo, orientador parental e fundador da Equipe AT. “Já existem pesquisas científicas que enxergam uma relação direta entre o uso excessivo de telas na infância e complicações na visão, dificuldades de processar informações e até déficits na capacidade de atenção”, conclui o especialista.


Isso acontece porque na infância, momento importante de desenvolvimento do corpo e do cérebro, o uso indiscriminado desses dispositivos pode fazer com que a criança não foque em outras atividades, prejudicando a imaginação e o desenvolvimento de habilidades sociais. “É importante que os pequenos tenham acesso a um repertório vasto de brincadeiras que os coloquem em contato com diferentes estímulos e situações, capazes de refinar aspectos motores e também, estimular a socialização”, diz o psicólogo.


A recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) é que, até os dois anos de idade, as crianças não devem ter acesso ao uso de telas a fim de evitar prejuízos para o desenvolvimento de habilidades sociais e de linguagem. Já entre dois e cinco, a recomendação é de no máximo uma hora de uso por dia, sempre com a supervisão de um adulto.


“Obviamente é muito difícil para os pais estabelecerem esses limites no mundo atual, porém, é importante que os adultos desenvolvam uma monitoria positiva, ou seja, supervisionem o uso de telas estabelecendo limites e deveres com afeto e cuidado, além de, caso necessário, procurar o apoio de um especialista”, aconselha Colombini. “A questão não é proibir o uso de celulares, tablets e afins, mas sim, oferecer aos filhos outras opções de atividades e lazer, diversificando os estímulos com os quais a criança tem contato”, conclui.


Mais sobre Filipe Colombini: psicólogo, fundador e CEO da Equipe AT, empresa com foco em Acompanhamento Terapêutico (AT) e atendimento fora do consultório, que atua em São Paulo (SP) desde 2012. Especialista em orientação parental e atendimento de crianças, jovens e adultos. Especialista em Clínica Analítico-Comportamental. Mestre em Psicologia da Educação pela Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP). Professor do Curso de Acompanhamento Terapêutico do Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas – Instituto de Psiquiatria Hospital das Clínicas (GREA-IPq-HCFMUSP). Professor e Coordenador acadêmico do Aprimoramento em AT da Equipe AT. Formação em Psicoterapia Baseada em Evidências, Acompanhamento Terapêutico, Terapia Infantil, Desenvolvimento Atípico e Abuso de Substâncias.



Parceiros